quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

"Diário de um louco"

Eu me lembro era noite e o sol brilhava no horizonte. Um homem sentado numa pedra de madeira calado dizia: prefiro a morte do que perder a vida.

Enquanto isso em um bosque, sem árvores os pássaros pastavam subitamente, comecei a correr até que percebi que estava parado. Já exausto, senti uma apetitosa falta de fome e fui para casa.. lá chegando entrei pela porta do fundo que ficava na frente onde subi descendo as escadas que iam para meu quarto.
Apressado vesti-me devagar e fui tomar banho em uma água quente que estava na geladeira. E de repente lembrei-me que estava com fome e dirigi-me para o banheiro a fim de jantar rapidamente.. comi o guardanapo e limpei a boca com o bife. Mas continuei pensando que estava com fome, comi então a sobremesa que existia e permanecendo sentado, levantei-me da cadeira e descendo subi a rua que passava na cozinha.
Ao chegar, deitei-me para dormir.

Dormindo tive pressentimento que estava sonhando e adormeci. Sonhei que um homem sentado em pé num canto da parede até filosofava sobre a vida lendo um grosso livro de Geografia que só tinha a capa e dizia: a terra é redonda como um quadrado.. e acabando de ler, o homem, que era mudo, fechou o grosso livro que só tinha capa e disse:

"Sou um pobre sonhador."

À meia noite, o sol raiava no horizonte, um velho com sua linda cabeleira loura, contemplava com os olhos fechados a beleza da natureza, enquanto que um velho mudo calado dizia Os quatro profetas do mundo são três. Moisés e Elias.
Enquanto os pássaros pastavam, as vacas pulavam de galho em galho, à procura de seus aquecidos ninhos.
O mundo é uma bola quadrada que navega num barco sem fundo, sobre ondas de um mar sem água.
E era meia-noite.

Era meia-noite, o sol brilhava no horizonte, os elefantes pulavam de galho em galho e os passarinhos pastavam numa imensa e seca relva. Enquanto isso, atrás de uma ramagem sem folhas, um cego lia um jornal sem letras e de cabeça para baixo, para o surdo ouvir.
E o mudo disse: "É melhor morrer do que perder a vida".

Autor desconhecido
-----------------------

Fora as ligeiras adaptações de um texto escrito à mão, está aí o diário que guiou meus sonhos de escritor desde criança.. sonhava em ser cientista e palhaço, uma vez que a professora da terceira série me perguntou e depois questionou por que.. bom, disse que queria descobrir estrelas (amava o céu) e inventar coisas, e ainda sim fazer as pessoas rirem.
Bom, me torno daqui a 6 meses um cientista da computação, e quem sabe não possa inventar algumas coisas, e também conseguir uns sorrisos das pessoas ao meu redor? ;)

Obrigado a este texto, e minhas grandes professoras da infância. Agradeço a minha família, e sobretudo a meus pais por deixarem meus sonhos viverem, e até hoje este texto me parece genial!
Estranho né? =P

5 comentários:

Tsuki no Kangae disse...

Muito bonito a sua homenagem aos seus influenciadores.
E sinceramente acredito que inventará coisas e que arrancará sorrisos, você é persistente e curioso.

Bjo,

CHANDRA

Samuel disse...

Sempre gostei de contradições, essa era uma das coisas que me faz gostar de engenheiros, elas deixam a gente viajar e misturar o mundo ao nosso gosto sem se preocupar muito com a lógica das coisas... É assim... acredito que o diário de um louco seja o melhor lugar pra elas estarem, estarão no meu!

Pedro Henrique disse...

Nussa tem algs textos que voçe fe ilários como esse "DIÁRIO DE UM LOUCO"

Edleuza disse...

Gostei muito do texto,já tinha visto um bem parecido há muito tempo em um jornal de uma escola no Ceará. Parabéns. EDLEUZA.

Jon disse...

http://adoseover.blogspot.com.br/